BUTOH

Atualizado: 15 de fev.


Min Tanaka em performance
 
 

BUTOH é um dos raros poemas escritos por Félix Guattari. Primeiramente publicado em Machinic Eros: Writings on Japan, o poema delineia os afetos pulsantes sobre o movimento que Min Tanaka ressoa, intransigentemente eclodindo no prisma entre ossos, carne, vazio e morte que deslizam através da cultura do Butô.


Sugerimos a leitura das notas ao final do poema.

 

BUTOH Min Tanaka Herdeiro da Escuridão Seus incêndios Zen queimando sob os pés do milagre Japonês Em outros territórios do sentido Um corpo-sem-órgãos Debaixo das identidades industriais Para além de programas narrativos Lentidão na velocidade da luz Horizontalidades animais Extraindo suas danças do cosmos Diagramas de intensidades Na intersecção de todas as imagens do possível Coreografia dos dados do desejo lançados Em uma linha constante desde o nascimento Tornando irreversíveis os ritmos e refrões de um Haiku-Acontecimento Eu danço não no lugar mas danço o lugar Min Tanaka The Body Weather O rei nu de nossas impossíveis memórias de existir


Tradução de Fabiana Gibim

 

Notas da Tradutora: Sobre Min Tanaka - Foi um potente dançarino e ator nascido em Tóquio em 1945. Cria através do diálogo entre o corpo e a experiência do espaço para irromper em uma performance comunitária entre o ser e o tudo, bebendo do corpo e do espaço a matéria orgânica que tece o movimento. Sobre The Body Weather - Min Tanaka é o criador de The Body Weather, um conjunto de métodos, práticas e performances que compõem um fundamento intersubjetivo do espaço mental e físico, criando espaço corpóreo de coexistência e diálogo entre o ser e a experiência de seu espaço e ambiente. O artista investiga sobre o Butô para criar este outro sujeito de movimento que conecta seus praticantes intimamente com o espaço que os envolve. Min Tanaka funda The Body Weather Farm, em 1985, nos arredores de Tóquio, na vila de Hakushu. Lá, os praticantes engajam sua vida na tecedura de uma comunidade horizontalizada, de entrega e sustento através da comunhão e diálogo entre o espaço e o ser, entre a vida compartilhada e a arte, nos ciclos de extensão do próprio corpo ao espaço e vice-versa.

 

Escute "Butoh", declamado por Anderson Santos, organizador de "Guattari/Kogawa. Rádio Livre. Autonomia. Japão".


172 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo