guattari, a cada vez...




 

Ontem, no dia 29 de agosto, recebemos da gráfica nosso novo lançamento, "Desejo e Revolução", de Guattari, Bifo e Bertetto.


Publicar Guattari é sempre um gole ardente – algo se abre de forma indissolúvel nesta ranhura que Guattari abriu com sua presença no mundo. Em sua filosofia do oculto, uma espécie selvagem de pensamento se arrasta, sorrateira como uma greve, abundante como o desejo.


Nesta pequena homenagem, Vladimir Moreira Lima, organizador e tradutor do lançamento, fala sobre essa presença generosa, em que a seiva de uma filosofia perigosa escorre.


Publicar Guattari foi possível por um corpo de muitos. Este livro foi possível graças aos nossos apoiadores. Não sabemos expressar o quão gratos somos por carregar a confiança de tantas pessoas em nosso trabalho.


Nossos agradecimentos vão para todos os apoiadores da nossa campanha de publicação coletiva de "Desejo e Revolução. Fazer filosofia radical, circular e publicar, isso causa o encontro-choque, um partido invisível de afetos, o único que pertencemos.


Agradecemos aos amigos e amigas, pessoas companheiras, que dedicar seu olhar atento ao nosso trabalho e investimento de vida.


Nosso muito obrigada!


Micael Lazaro Zaramella Guimarães | Andityas Soares de Moura Costa Matos | Luiz Guilherme Rivera de Castro | Gabriel Miranda | Leonardo Feltrin Foletto | Paulo Silveira | Giselle trevizo | Joyce Karine de Sá Souza | Heitor Pestana | Ana Paula Sarabia | Camila Bordallo Proença | Felipe Garzon Sut | Vinny Pellegrino | Stella Regina | Amanda Lara Luz Freitas | Adriano Lopes Gomes Jùnior | Pedro de Andrade Calil Jabur | Glauco Mažrimas | Matias Hillesheim Stecker | Guilherme ponce | Rogério Felipe Santos Teixeira | Ana Vizeu | Ciro Luis Koepp Hoeller | Julia mancilha carvalho pedigone | Lucas Estevez Sanz | Gabriel Vargas Bernardo | Flavinho Seixas | Wagner Ferreira Previtali | Mari E. Messias | Fernando Manoel Belles de Moraes | Talita Magalhães | Marco Antonio Bertoldi | Mariana dos Santos Kober | Fernanda dos Santo Sodré | Guilherme Portas | Almerindo A Boff | Adalciléia Luiz | Gabriel da Silva Pereira | Julia Oliveira e Silva | Amauri Ferreira | Eduardo José Tollendal | Marcelo da Silva Norberto | Conrado Ramos | Vinícius Armele dos Santos Leal| Icaro Ferraz Vidal Junior | Sergio Soriano de Sousa | Raphael Garcia Veleda | Vanessa Caramelo Rosolino | Luiza Dias Flores | Carmen Baldo Correa | Luiza de Melo Silva | José Eduardo Gama Noronha | Clarice Oyarce Filgueiras | Helga Silva Espigão | Beatriz Gomes molinos | Marina Marchesan | Priscilla Lessa de Mello | Giovanna Franco | Marco túlio de melo vieira | Leonardo de Castro Soutelo | Francine | João Paulo S Luz | Ruth Schmitz de Castro | Ana Margarete Cardoso da Silva | Eduardo Henrique Passos Pereira | Arthur Menezes Gonçalves | Leonardo De Marchi | Gustavo Ballejo Olivera | Leonardo Monteiro Trotta | Pedro Rocha Correia Silva | Gustavo Anacleto Silva | Weslley Silva Ferreira | Mariana de Toledo Barbosa | Maria Vitoria | Luiz Gustavo Duarte | Renata Del Vecchio Gessullo


E a todas e todos que, mesmo que não tenham colaborado com a campanha, estão sempre nos acompanhando e dividindo as trincheiras dos afetos.

 

O dia 29 de agosto de 2022 marca 30 anos da morte de Félix Guattari. Nossas homenagens póstumas frequentemente carregam o cheiro da morte. Nossas referências são os monumentos dos vencedores, os patrimônios nacionais, que tem uma data histórica, mas, e por isso, entraram para a eternidade. História-eternidade. Não importa se maio de 68, a comuna de Paris, ou os 50 anos do Anti-édipo – gostamos de um 7 de setembro. Com Guattari, poderíamos dizer, tem um molar que rejeitamos, mas tem outro, molecular, que toma conta. Celebração, deferência, festa e independência.


Deixar os mortos em paz. Uma reafirmação da presença de sua ausência e não da ingênua presença – garantida de uma vez por todas – naquilo que supostamente fazemos e consideramos tão nobre.


Qual ausência? Aquela decantada pelo poeta Drummond, oferecida para Guattari pelo pessoal de La Borde, talhada em sua lápide, como se o próprio nos falasse de sua ausência:


“Por muito tempo achei que a ausência é falta. E lastimava, ignorante, a falta. Hoje não a lastimo. Não há falta na ausência. A ausência é um estar em mim. E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços, que rio e danço e invento exclamações alegres, porque a ausência, essa ausência assimilada, ninguém a rouba mais de mim”.

Encarar a morte de frente. Com todo o seu não-sentido. Nenhuma lição a dar. Um intenso silêncio para um estardalhaço porvir. Pensar, criar e lutar – a cada vez.


“Não é por uma prática exegética que se pode esperar manter vivo o pensamento de alguém importante que faleceu, mas somente através de sua retomada e de sua recolocada em ato, com os riscos e perigos daqueles que se expõem a isso, para reabrir seu questionamento, e para lhe trazer a carne de suas próprias incertezas. Sintam-se livres para relacionar a banalidade desta primeira observação ao gênero corriqueiro da homenagem póstuma” (Guattari em Les années d’hiver).

Texto de Vladimir Moreira Lima, tradutor e organizador de Desejo e revolução, de Félix Guattari.

112 visualizações0 comentário